RETERRITORIALIZAÇÃO DOS AFETOS EM TEMPOS DE PANDEMIA

Luana Garcia Feldens Fusaro, Juliana Garcia Feldens

Resumo


 

Este texto pretende provocar uma reflexão sobre como as medidas de isolamento social, decorrentes da pandemia do Covid-19, podem atravessar a dimensão dos corpos a partir de processos de reterritorialização dos afetos no presente. Utilizando a noção espinosiana de hecceidade, trabalhada por Deleuze e Guattari, em que o corpo é o conjunto de seus movimentos, repousos e pelos graus de potência dos afetos, busca-se aqui pensar de que maneira as restrições físicas e sociais da pandemia podem alterar as noções espaço-temporais individuais e coletivas. 


Texto completo:

PDF

Referências


DELEUZE, Gilles. Lógica do Sentido. Tradução:Luiz Roberto Salinas Fortes. São Paulo: Perspectiva, Ed. da Universidade de São Paulo, 1974.

DELEUZE, Gilles. GUATTARI, Félix. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia, vol.1. Tradução: Aurélio Guerra Neto e Celia Pinto Costa. São Paulo: Ed. 34, 1ªed.1995, 5ª reimpressão, 2007.

_________. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia, vol.4. Tradução: Suely Rolnik. São Paulo: Ed. 34, 2ªed. 2012.

SPINOZA, Benedictus de. Ética. Tradução: Grupo de Estudos Espinosianos; coord. Marilena Chaui. 1ªed. 1ª reimpressão. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2018.

ROSE, Nikolas. A política da própria vida: biomedicina, poder e subjetividade no Século XXI. São Paulo: Ed. Paulus, 2013.




DOI: https://doi.org/10.34112/1980-9026a2021n44p270-277

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Linha Mestra Associação de Leitura do Brasil (ALB)
e-ISSN: 1980-9026
DOI: https://doi.org/10.34112/1980-9026

Licença Creative Commons