LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO: ASPECTOS DA FORMAÇÃO DE EDUCADORES NO CONTEXTO DO TERRITÓRIO RIBEIRINHO

Jenijunio dos Santos, Mônica Castagna Molina

Resumo


O artigo resulta da pesquisa qualitativa que respondeu a questão: a Licenciatura em Educação do Campo, supre as necessidades da formação dos educadores que atuam com populações ribeirinhas, na perspectiva de desenvolver práticas pedagógicas que fortaleçam o modo de vida, a organização social e o enfrentamento dos conflitos oriundos das questões que envolvem seus territórios? Para as análises dos dados, utilizou-se o aporte teórico do Materialismo Histórico Dialético e para a metodologia, fez-se a pesquisa bibliográfica, a documental e a pesquisa de campo, com o uso da técnica da roda de conversa e das entrevistas semi-estruturadas. Concluiu-se que a Licenciatura em Educação do Campo vem se firmando no contexto do território ribeirinho e supre às necessidades da formação dos educadores que nele atuam, o que pode ser verificado na superação das contradições inerentes à sua implementação, na análise do Projeto Político Pedagógico do curso.


Texto completo:

PDF

Referências


ARROYO, M. G. Currículo, Território em Disputa. Petrópolis: Vozes, 2011.

BOGO, A. Identidade e Luta de Classes. 2 ed. São Paulo: Expressão Popular, 2010.

DOS SANTOS, J. Licenciatura em Educação do Campo e território ribeirinho: desafios e potencialidades na formação de educadores para a resistência na Amazônia. 2020. 238 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade de Brasília, Brasília, 2020.

FRIGOTTO, G.; CIAVATTA, M. Trabalho como princípio educativo. In: CALDART, R. S. et al. (Org.). Dicionário da Educação do Campo. Rio de Janeiro: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, Expressão Popular, 2012. p. 748-755.

MOLINA, M. C.; SÁ, L. M. Licenciatura em Educação do Campo da Universidade de Brasília: Estratégias Político-Pedagógicas na Formação de Educadores do Campo. In: MOLINA, M. C.; SÁ, L. M. (Org.). Licenciaturas em Educação do Campo: registros e reflexões a partir das experiências-piloto. Belo Horizonte: Autêntica, 2011. p. 35-61.

NEVES, D. P. Os ribeirinhos-agricultores de várzea: formas de enquadramento institucional. Novos Cadernos NAEA, Belém, v. 12, n. 1, p. 71-96, jun. 2009.

PEREIRA, E. A. As Encruzilhadas das Territorialidades Ribeirinhas: Transformações no exercício espacial de poder em comunidades ribeirinhas da Amazônia Tocantina Paraense. 2014. 435 f. Tese (Doutorado em Geografia Humana) – Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2014.

PEREIRA, E. A. O campo ribeirinho: educação escolar e território na Amazônia. In: SOUZA, D. V. S. S.; VASCONCELOS, M. E. O.; HAGE, S. A. M. (Org.). Povos ribeirinhos da Amazônia: educação e pesquisa em diálogo. Curitiba: CVR, 2017. p. 31-32.

SANTOS, J. Populações ribeirinhas e educação do campo: análise das diretrizes educacionais do município de Belém-PA, no período de 2005-2012. 2014. 156 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Pará, Belém, 2014.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ. Resolução n. 4.047, de 30 de setembro de 2010. Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Educação do Campo, Abaetetuba. Belém: UFPA, 2010. Disponível em: http://tinyurl.com/y2xa24nv. Acesso em: 25 fev. 2018.




DOI: https://doi.org/10.34112/1980-9026a2020n42p92-101

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Linha Mestra Associação de Leitura do Brasil (ALB)
e-ISSN: 1980-9026
DOI: https://doi.org/10.34112/1980-9026

Licença Creative Commons