PEDRO COSTA ENTRE O DEVIR COMUM E O DEVIR IMPRÓPRIO: POSSIBILIDADES PARA PENSAR A SINGULARIZAÇÃO DE COMUNIDADES MÍNIMAS COM O FILME JUVENTUDE EM MARCHA

Breno Isaac Benedykt

Resumo


Ao percorrer o conceito de devir na obra de Gilles Deleuze e, mormente, após seu encontro com Félix Guattari, sentimos que este, dado à sua crescente abrangência e dinâmica cada vez mais ramificada, caminha sentido uma nova noção de imagem como produção de singularizações as quais despossuem o homem de seus limites organizacionais em forças anômalas. Em um texto decisivo, 1730 – Devir-intenso, devir-animal, devir-imperceptível… encontramos a reapropriação da noção de anômalo, oriunda dos escritos de Georges Canguilhem, para construir o elo entre o devir-animal e os grupos (ou povos) minoritários – oprimidos, proibidos, revoltados, periféricos –: traço nevrálgico para pensar o cinema de Pedro Costa. Porém, é em conexão com Maurice Blanchot que essa dimensão problemática da experiência do devir ganha fôlego e dá consistência a uma dobra comunitária. Não se trata mais do anômalo solitário, como borda da matilha, mas do comum impróprio como dobra em individuação. Deleuze em ao menos dois momentos chega a remeter-nos a uma possível relação entre devir e comunidade, mas pouco a explora. Num primeiro momento, em Cinema II: A Imagem-Tempo, ao tratar dos filmes de Jean Rouch e Pierre Perrault, e, mais adiante, em seu ensaio Bartleby, ou a fórmula. Tendo isso em vista, é no arranjo entre seu pensamento (e de Guattari) e o de Blanchot que desenvolveremos uma linha capaz de dar expressividade filosófica à experiência arrebatadora que o cineasta Pedro Costa nos apresenta em seu filme Juventude em Marcha. No filme, seguimos uma personagem, Ventura, a qual, sem deixar de operar uma individuação excepcional, jamais cessa de desfazê-la em linhas afecto-comunitárias. Assim, entre a escrita, a voz e a imagem, na penumbra de espaços e tempos díspares, encontramos a atualização de comunidades mínimas, as quais revelam sua força imprópria e, portanto, não identitária.

Texto completo:

PDF

Referências


BLANCHOT, M. A Comunidade Inconfessável. Brasília: Ed. UnB, 2013.

CANGUILHEM, G. O normal e o patológico. Rio de Janeiro: Ed. GEN/ Forense Universitária, 2015.

COSTA, P. Un mirlo dourado, un ramo de flores y una cuchara de plata: conversación com Pedro Costa, collage de Andy Rector, documentos. Barcelona: Ed. Progimag, 2011.

DELEUZE, G. Bartleby, ou a fórmula. In: ______. Crítica e Clínica. São Paulo: Ed. 34, 2011.

DELEUZE, G. A imagem-movimento. Cinema I. Lisboa: Ed. Assírio & Alvim, 2009.

DELEUZE, G. A imagem-tempo. Cinema II. São Paulo: Ed. Brasiliense, 2005.

DELEUZE, G; GUATTARI, F. 1730 – Devir-intenso, devir-animal, devir-imperceptível… In: Mil Platôs: capitalismo e esquizofrênia. v. 2. São Paulo: Ed. 34, 2012.

LAPOUJADE, D. As existências mínimas. Ed. N-1. São Paulo, 2017.

Referências fílmicas

JUVENTUDE em Marcha. Direção Pedro Costa. Portugal. Ventura Film; Contracosta produções; Les films de L’etranger; Radio Televisão Porguesa (RTP). 1 DVD. (156 min.).


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Linha Mestra Associação de Leitura do Brasil (ALB)
e-ISSN: 1980-9026