A CRIANÇA COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL E A APRENDIZAGEM DA ESCRITA: UM ESTUDO SOBRE OS PROCESSOS DE ALFABETIZAÇÃO DE ALUNOS QUE FREQUENTAM AS SALAS DE RECURSOS MULTIFUNCIONAIS

Rita de Cassia Cristofoleti

Resumo


O estudo apresentado vincula-se à uma pesquisa realizada na Iniciação Científica da Universidade Federal do Espírito Santo[1] e ao projeto de pesquisa Educação Inclusiva: um estudo das práticas educativas na escola à luz das contribuições da Perspectiva Histórico-Cultural sob número de registro de aprovação CAAE 62836116.2.0000.5063 no Comitê de Ética e Pesquisa em seres humanos. O estudo se propôs a pesquisar os processos de alfabetização de alunos com deficiência intelectual que frequentam as salas de recursos multifuncionais (Atendimento Educacional Especializado), de uma escola municipal de São Mateus, ES, tendo como objetivo compreender como a criança com deficiência intelectual significa o mundo e a si mesma através dos processos que envolvem a elaboração e a aprendizagem inicial da escrita. A pesquisa se fundamentou nos estudos da perspectiva Histórico-Cultural desenvolvida por Vigotski (1998, 2001, 2005, 2011), segundo os quais as origens e as explicações do funcionamento psicológico do homem devem ser buscadas nas interações sociais, na medida em que é aí que o indivíduo tem acesso aos instrumentos e aos sistemas de signos que possibilitam o desenvolvimento de formas culturais de atividades e permitem estruturar a realidade, o próprio pensamento e o reconhecimento de si mesmo como pessoa. O método utilizado para a obtenção dos dados foi a pesquisa participante na qual a pesquisadora durante os meses de agosto a dezembro de 2017, observou e interagiu com dois alunos e a professora na sala de recursos multifuncionais de uma escola municipal de São Mateus-ES, sujeitos da pesquisa. Para o registro dos dados, utilizou-se o diário de campo com anotações de falas, gestos, expressões faciais e recursos pedagógicos que eram instaurados nas relações de ensino.

[1] A pesquisa realizada na Iniciação Científica intitula-se: Os processos iniciais de escrita em crianças com deficiência em atendimento nas Salas de Recursos Multifuncionais.


Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Ministério da Educação, 2008. Disponível em: . Acesso em: 08/07/2018.

EZPELETA, J.; ROCKWELL, E. Pesquisa Participante. São Paulo: Cortez, 1989.

FERREIRA, Maria Cecília Carareto.; FERREIRA, Julio Romero. Sobre inclusão, políticas públicas e práticas pedagógicas. In: GÓES, M. C. R.; LAPLANE, A. L. F. (Org.). Políticas e práticas de educação inclusiva. 2. ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2007.

GÓES, Maria Cecília Rafael de. Relações entre Desenvolvimento Humano, Deficiência e Educação: Contribuições da Abordagem Histórico-Cultural. In: OLIVEIRA, M. K.; SOUZA, D. T.; REGO, T. C. Psicologia, Educação e as Temáticas da Vida Contemporânea. São Paulo: Moderna, 2002.

PADILHA, Anna Maria Lunardi. Práticas Educativas: Perspectivas que se abrem para a educação Especial. Educação e Sociedade, ano XX, n. 71, julho/00.

SMOLKA, A. L. B. A criança na fase inicial da escrita: a alfabetização como processo discursivo. 2. ed. São Paulo: Cortez, 1989.

VIGOTSKI, L. S. A defectologia e o estudo do desenvolvimento e da educação da criança anormal. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 37, n. 4. p. 861-870, dez. 2011.

______. Pensamento e da Linguagem. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

______. Manuscrito de 1929. Educação e Sociedade, ano XXI, n. 71, p. 21-44, jul. 2000.

______. A formação social da mente. 6. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1998.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Linha Mestra Associação de Leitura do Brasil (ALB)
e-ISSN: 1980-9026